Indígenas no Maranhão fazem greve de fome há uma semana

O Cimi pede que as autoridades atendam as demandas dos acampados e não permitam que algo mais grave ocorra contra a saúde dos oito manifestantes em greve de fome há uma semana
View this email in your browser
O Conselho Nacional do Cimi, reunido em sua 2ª reunião ordinária de trabalho deste ano, no Centro de Formação Vicente Cañas, em Luziânia (GO), quer expressar seu apoio à luta dos acampados indígenas e quilombolas na sede da Superintendência do Incra, em São Luís. Oito pessoas (foto) permanecem em greve de fome há uma semana.

A greve de fome coletiva foi definida após uma assembleia geral. Esse ato extremo manifesta a urgência do cumprimento das pautas apresentadas pelo movimento. Até o presente momento, as autoridades não se deixaram sensibilizar diante das consequências à saúde que a greve de fome pode acarretar a Valdenilde Gamela (indígena, 25 anos), Maria Doracy Ferreira (quilombola, 36 anos), Maria da Conceição (Concinha, quilombola, 46 anos), Antônio Pereira (camponês, 52 anos) Naildo Braga (quilombola, 33 anos), Deusdeth Martins (quilombola, 53 anos), Lurdilene de Jesus (quilombola, 25 anos) e Ivonete Galvão (quilombola, 44 anos). Essas pessoas passaram a receber soro a partir de hoje por recomendações médicas.

Consideramos justos o acampamento e as reivindicações pela titulação de suas terras. Trata-se de famílias e comunidades, cansadas da imposição do pagamento de fórum a supostos proprietários das terras em que vivem. Eles reivindicam a elaboração de 40 Relatórios Técnicos de Identificação e Delimitação (RTID), a conclusão do RTIDs de três comunidades, o decreto de desapropriação de duas comunidades, um prazo para a finalização das demais peças técnicas de processos administrativos em aberto, a criação de uma diretoria quilombola no Incra Nacional e nas Superintendências regionais e  o assentamento imediato das famílias camponesas dos territórios de Alegria e Gostoso, em Timbiras e Aldeias Altas, além da presença do ministro do Desenvolvimento Agrário, do presidente do Incra e da Fundação Palmares.

Solicitamos às autoridades que atendam as justas reivindicações dos acampados que lutam pela permanência na terra e por dignidade.

Luziânia, 17 de junho de 2015

Conselho Nacional do Cimi

Leia mais:  Greve de fome continua no Maranhão sem respostas às reivindicações e indiferença das autoridades

Copyright © 2015 Conselho Indigenista Missionário, All rights reserved.
Você recebe este informe porque está inscrito na lista de contatos do Conselho Indigenista Missionário – CIMI.

Our mailing address is:

Conselho Indigenista Missionário

SDS Ed. Venâncio III – Salas 309/314
cimi.org.br

Brasília, DF 70393-902

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s