Comunicado dos Bispos de Moçambique

Matola(RV) – Os bispos moçambicanos, preocupados com a situação em que se encontra o país, emitiram no dia 7 de novembro um comunicado onde clamam pela paz e pelo respeito à vida. Leiam a palavra da Conferência Episcopal de Moçambique:

“Procuremos o que interessa à paz e à mútua edificação” (Rm14,19). Nós bispos católicos de Moçambique reunidos em Assembleia plenária na Matola, neste momento de dor, angústia e desespero do povo moçambicano causado pelo regresso à guerra no país, queremos unir a nossa voz a voz do povo que clama pela paz e respeito da sua vida.
Na nossa Nota pastoral de Agosto 2012,escrevíamos que o clima de intolerância e a falta de inclusão de todos os
cidadãos ameaçavam a paz conquistada com tanto sacrifício há 21anos.Moçambique encontra-se hoje numa situação em que a paz está a ser espezinhada.
Os acontecimentos das últimas semanas revelam que se optou por resolver as divergências pelas armas.
Angustiados, testemunhamos que está a ser derramado sangue inocente, seja de civis seja de homens em armas, todos
filhos desta nossa Pátria.
Voltamos a ver as tristes imagens de mulheres e crianças a abandonarem as suas casas e refugiar-se no mato; povo a sofrer porque
vítima de abusos e desmandos ligados ao clima de insegurança e agressividade que todo conflito acarreta.

O Povo quer a Paz. Por isso:Afirmamos que ninguém pode invocar o povo ou encontrar nele legitimidade para defender pelas armas
interesses de grupos ou pessoais.

Exigimos que pare imediatamente toda forma de hostilidade, confrontos armados e que se reabra o caminho do diálogo, fazendo
recurso a tudo e a todos quantos possam favorecer que o mesmo encontre espaço,seja sincero e efetivo.

Apelamos a todos os cidadãos para que não se deixem arrastar pelo clima de intolerância e violência que está a crescer no país.
Sejamos todos defensores deste bem precioso que é a paz, velando pelo respeito mútuo. Sejamos todos construtores de paz trabalhando por instituições respeitáveis e respeitadas.

Apelamos a quantos têm autoridade e tomam as decisões de ambas as partes envolvidas nos confrontos para que mandem parar todo acto de violência e agressão.

Apelamos ao senhor Presidente da República e Comandante em Chefe das Forças Armadas que faça tudo quanto está ao seu alcance
para parar com os confrontos armados e crie condições reais para um diálogo
corajoso e concludente.

Apelamos à comunidade internacional, particularmente às representações diplomáticas em Moçambique e às empresas envolvidas no desenvolvimento do país a favorecer a construção da paz sem a qual, as conquistas destes últimos anos estariam postas em perigo.
Convidamos a todos os crentes a intensificar a oração pela paz.
Como bispos e como cidadãos,reiteramos a nossa inteira disponibilidade em fazer tudo o que as partes
diretamente envolvidas no conflito acharem legítimo e necessário solicitar-nos para que a paz prevaleça e seja consolidada.

Matola aos 7 de Novembro 2013   OsBispos católicos de Moçambique

+ Lúcio Andrice Muandula
Presidente da CEM
Texto proveniente da página http://pt.radiovaticana.va/news/2013/11/08/comunicado_dos_bispos_de_mo%C3%83%C2%A7ambique/bra-744744
do
site da Rádio Vaticano

Semana de oração em Paris pela paz na Síria

2013-08-30 Rádio Vaticana

Paris (RV) – Tem início hoje, 30, em Paris, a semana de oração pela paz na Síria. A Fundação de direito pontifício ‘Ajuda à Igreja que Sofre’ (AIS) estará presente na atividade que irá durar até a próxima sexta-feira, 6 de setembro. Segundo uma nota enviada à Agência Fides pelo serviço francês da organização, a semana estava inicialmente programada para ocorrer em outubro, mas os acontecimentos dos últimos dias pediram a antecipação. “Não podemos esperar. O tempo de orar pela paz para o povo sírio é agora. Os nossos irmãos na Síria têm necessidade mais do que nunca”, explica o comunicado. A campanha, que fornece uma intenção específica diária, une-se à incessante oração pela paz e pela tentativa de evitar uma intervenção militar dos países ocidentais – que se passa em todas as comunidades cristãs na Síria. O desejo da AIS é “um futuro de paz na Síria, baseada na justiça para todos”. Por isso, destinada aos fiéis de todo o mundo, propagou a oração que pede a Deus: “Escuta o grito do povo sírio, conforta aqueles que sofrem por causa da violência, consola os que choram pelos que morrem, converte os corações daqueles que pegaram as armas, protege os que estão comprometidos pela paz. Deus da esperança, inspira os líderes a escolherem a paz em vez da violência e que encontrem a reconciliação com seus inimigos”.

Autor: Da Redação, com Agência Fides